Diário de Bordo 06/05 – A tão sonhada Transuruará…

Acordamos cedo e por volta das 07:20 partimos rumo a Uruará, pois não tínhamos comunicação com o pessoal que estava lá e que deveriam estar preocupados com a nossa demora.

Por volta de 08:30, próximo a União da Floresta, a L-200 do Werismar continuou com problema de aquecimento no motor. Achamos um caminhão na estrada e Werismar muito chateado, conseguiu que o carro fosse levado até Santarém.

Seguimos viagem e eu fiquei muito triste, pois, dois Amigos do Jipe já haviam abandonado a expedição por problemas mecânicos, mas, ainda havia esperança da L-200 resolver o problema em Santarém e se unir ao grupo novamente.

Nas proximidades de Uruará, tivemos outro susto: os grampos do cardan traseiro do Azulão se partiram e rapidamente tiramos os grampos do cardan dianteiro pra substituir os quebrados e prosseguir viagem até Uruará e finalmente se encontrar como grupo.

Não podemos esquecer de mencionar nosso amigo Anderson (Feio), que durante todo o trajeto, ele que com muita paciência e sempre muito prestativo e animado, meteu a mão na massa e consertou todos os carros que precisaram. Não tinha tempo ruim, era na terra, na lama, ele nunca deixava a galera desanimar, tinha sempre solução pra tudo.

Entrando em Uruará, consegui comunicar via rádio com o grupo que já estava lá há dois dias e eles já estavam entrando no ramal de madeireiro, a famosa Transuruará, também chamada por moradores locais de Chapadão, e seguiram na frente com Rubi Júnior puxando, até porque o deslocamento ficaria mais rápido.

O grupo que estava em Uruará há dois dias, recebeu o apoio do Gil da Stihl que levou a galera pra passear na Gruta do Diabo e na Cachoeira Coração da Amazônia, onde nosso amigo Febre Amarela levou um corte profundo no pé precisando de 5 pontos.

O grupo que ficou com o Azulão não conseguiu encontrar o Gil, pois, já estávamos atrasados. Assim, abastecemos e fizemos compra de mantimentos em Uruará e as 15:20 entramos no ramal, preparados pra tudo.

Seguimos ramal adentro e os atoleiros começaram a brotar durante todo o trajeto.

Conversei como grupo e havíamos decidido procurar um local para acampar, só que ao longo do trajeto arrebentou o cabo de acelerador do Lobo Guará (Engesa) do Portela, e fizemos uma parada rápida. Cabo trocado pelo Anderson (Feio), prosseguimos ramal adentro.

A noite, em meio ao atoleiro, recebemos a notícia pelo rádio, que o Busão (Bandeirantes do Aroldo e Nazareno) havia sofrido um ferimento sério: quebrou o eixo dianteiro.
Retornei para verificar o que havia acontecido e constatamos que o eixo havia partido. Levantamos o carro, retiramos a roda que era muito pesada e colocamos o estepe da Fubica do Digão que era mais leve e por sorte o eixo não havia se partido por completo.

Eu e Digão, decidimos então ir na frente pois, havia um vilarejo não muito longe dali e poderíamos conseguir algum tipo de apoio.

Quando estávamos perto do vilarejo me comunicando com o Digão pelo rádio, a galera que havia seguido na frente nos respondeu. Naquele momento, me animei, pois, o grupo estava próximo a se unir por completo novamente.
Vimos umas luzes no ramal e na entrada do vilarejo, a surpresa: todos do grupo que saíram a frente, estavam acampados nos aguardando, e foi aquela festa. Uma alegria contagiante. Os Amigos do Jipe, juntos novamente!

Depois da euforia, expliquei o problema que havia acontecido com o Busão e logo a turma estava reunindo alguns carros para retornar e ver o que era possível fazer.
Quando estávamos saindo, tivemos uma grande surpresa ao ver os faróis e a notícia pelo rádio de que eles estavam rodando lentamente e chegando até onde estávamos.
Aí a euforia foi geral e contagiante…a festa começou novamente em plena Transuruará…e o Sr.Francisco, morador do vilarejo, nos acolheu junto aos outros com um bom chuveiro e muita alegria!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>