Diário de Bordo 14/05 /2014 – Dia cheio de emoções até chegarmos a Macapá: grande susto com Azulão que quebrou o disco de freio cerrando a manga de eixo bem pertinho de Macapá.

Acordamos e enquanto arrumávamos as coisas pra levantar acampamento, ouvimos o barulho do Monstro passando. A turma gritou, e eles se reuniram novamente ao grupo. Era engraçado como os momentos de estresse viravam euforia rapidamente, e logo estavam todos reunidos novamente, seguimos rumo a Macapá que já estava a poucos kms. Todos muito eufóricos, fomos seguindo.

A estrada que era só buraco havia acabado e tornou-se muito escorregadia, e o movimento de veículos aumentava de acordo com que nos aproximávamos do nosso destino final.

Como ao longo do trajeto haviam alguns trechos com formação de atoleiros, nos deparamos com um caminhão atolado e então paramos para ajudá-lo. Digão tomou a iniciativa de tentar puxá-lo com sua Fubica, mas não conseguiu, foi quando pedi para Cotonete (Monstro) sempre disposto, a fazer um “trenzinho” com a Fubica e assim conseguiram arrastar o caminhão para fora do atoleiro.

Os carros foram transpondo os pequenos atoleiros. Azulão ficou fechando o grupo com a Jaburu, quando poucos kms depois, tivemos um grande susto com Azulão: a roda traseira direita quis nos ultrapassar, só que pra nossa sorte, estávamos em baixa velocidade iniciando uma subida. A roda saiu com o semieixo, o jipe saiu arrastando e por sorte, não tombando.

A Márcia e o Batalha imediatamente passaram um rádio pra galera avisando do ocorrido. Desci do Azulão atônito, sem saber o que pensar, já que o Azulão utiliza eixo flutuante que evita esse tipo de acidente.

A galera retornou e eu triste pensando: que belo presente de aniversário eu estava ganhando, pois, não conseguia entender e visualizar o que tinha acontecido! As opiniões eram diversas, mas, para não perdermos tempo, pois, achávamos que o eixo havia quebrado, decidimos levantar com cautela o jipe e recolocar a roda no lugar.

Com Ogro Anderson e Anderson (Feio) sempre dispostos, rapidamente conseguimos fazer isso. Eu, frustrado, já falava pro Digão ir até Macapá trazer um novo eixo, pois, faltava tão pouco pro destino final e eu queria chegar rodando, esse seria o maior presente de aniversário, mas todos já diziam apenas pro Digão mandar um guincho e isso era a coisa que eu menos queria.

Deslocamos o Azulão até o alto do morro lentamente com o Ogro Anderson me acompanhando a pé, pois, lá seria um lugar mais seguro pra parar o jipe e aguardar a chegada do guincho.

Foi nesse momento com a cabeça mais calma que comecei a analisar friamente o que havia acontecido e percebi que o disco de freio havia quebrado e cerrado a manga de eixo. Imediatamente comuniquei a galera o que havia quebrado e que eu tinha as peças reservas, a animação voltou, e o espírito do Amigos do Jipe Amazônia que tanto preguei ao longo da viagem, mais uma vez aconteceu.Anderson (Feio), Malafaia, Ogro Anderson e eu, desmontamos rapidamente o que sobrou, enquanto a galera espantada não acreditava que eu tinha aquelas peças novas reservas no jipe.

Digão que foi nosso cozinheiro várias vezes durante a viagem, juntamente com a animação de Mara, Cotonete, Batalha e Adriana, começaram a fritar uma carne pra manter a galera animada e nossa melhor companhia a chuva, de novo, veio dar o ar da graça.

Rapidamente substituímos as peças danificadas e seguimos viagem onde reagruparíamos novamente, pois, Capetinha e Sargento estavam nos aguardando mais à frente. Nesse momento a euforia no rádio era muito grande, a alegria de minha zequinha Márcia Andrade aumentava a cada instante, nem nos importávamos mais com a situação da estrada e até “parabéns pra você” pelo rádio, pelo meu aniversário rolou, e eu não conseguia mais conter, nem esconder minha emoção, não por ser meu aniversário, mas porque depois de 14 dias de quebras, discussões, acampamentos, alegrias, risadas, companheirismo, nós havíamos conseguido alcançar nosso objetivo.

Paramos os 8 carros restantes próximos a placa de MACAPÁ, já no início do asfalto, depois de tantos dias de estrada de chão e foi só comemoração, com direito a muita festa, lágrimas de emoção e nossa amiga chuva que foi tão fiel durante toda a expedição, não poderia nos deixar nesse momento chegando prá lavar nossa alma de felicidade.

Nos momentos que se seguiram até o centro de Macapá, tivemos uma surpresa inesperada: uma Defender 130 com uma família da África do Sul que estava chegando ao Brasil pelo Oiapoque e passando por Macapá, se juntou ao nosso grupo. Graeme Rob Campana Bell (Roberto), Luisa Bell, Keelan e a filha, todos muito simpáticos, foram seguindo o comboio até a orla de Macapá, onde alguns membros do Jeep Clube de Macapá e seu Presidente Mourão nos receberam e ofereceram a estrutura de sua sede pra ficarmos o tempo que fosse necessário.

Alguns participantes que haviam deixado a expedição dias atrás, Mauro (Cyborg -Bandeirantes) e Aroldo (Busão – Bandeirantes), Portela e Zé Carlos (Lobo Guará – Engesa) e ainda meu grande amigo Goianinho, foram todos nos encontrar na orla.

A festa iniciou na orla e seguiu na sede do Jeep Club de Macapá com churrasco oferecido pelo Jeep Club, Digão e Goianinho e representado pelo Presidente Mourão. Armamos acampamento e a festa seguiu noite adentro. Não sei quando ou se haverá outra Expedição Amigos do Jipe Amazônia, mas, uma coisa eu posso dizer: boas amizades foram feitas e se fosse necessário passar por tudo de novo com essa galera, eu faria tudo novamente.

Um mistério ficou no ar até o final da Expedição na chegada a Macapá: Onde estava Nelmont?

AMIGOS DO JIPE AMAZÔNIA 2014 !!! 

Agradecimentos:

Agradeço em especial a Márcia Andrade pela paciência, pelas fotos, vídeos e por toda a digitação do diário de bordo e pelos meus remédios de pressão que insistentemente ela me dava todos os dias pela manhã;

A todos os participantes;

A oficina JP Locadora, em Altamira
www.facebook.com/pages/JP-Locadora/232471596888453?fref=ts

Ao Takai que nos ajudou em Altamira;

Ao Jeep Clube Tapajós que nos auxiliou em Santarém;
http://www.jeepclubetapajos.com

À “Jocileuza” de Roça Comprida que nos cedeu espaço de seu terreno para acamparmos;

À balsa de Jesus Goes;

Ao Portela pelo apoio que nos deu em Santarém e estadia que nos deu em Macapá;

Ao Cláudio e sua esposa Raimunda, irmã do José Carlos, que nos cedeu espaço para dormir e ainda sua casa para o churrasco e a farra da galera;

Ao Jeep Club de Macapá que nos deu todo apoio em Macapá e nos cedeu a sede para acamparmos enquanto estivéssemos na cidade
https://www.facebook.com/JeepClubdeMacapa

Aos nossos parceiros:

Gil Peças e Maquinorte ( Stihl): http://maquinorte.lojastihl.com.br

Operama 4×4 Off Road: http://www.operama.com.br

Capotas Atlântida: http://www.atlantida4x4.com.br

XMotor: http://www.xfloripa.com.br

Nós de Joinville: http://www.nosdejoinville.com.br

Team Nogueira (Ananindeua): http://www.teamnogueira.com.br/

E a todos aqueles que direta ou indiretamente nos ajudaram ao longo da Expedição Amigos do Jipe Amazônia, fica aqui meu agradecimento! 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>